Otorrinogama Otorrinolaringologia no Gama

Otorrinogama Otorrinolaringologia no Gama

Otorrinogama Otorrinolaringologia no Gama

Otorrinogama

Corpo Clínico :

Dr José Stênio Ponte Dias Filho
CRM DF : 17362

Currículo

Dr Jader Simão Santana Melo
CRM DF : 16871

Dra Juliane Moreira Barbosa
CRM DF : 23552

Currículo

Médicos

Endereço : Quadra 2 – Conjunto A – Número 1 – 2* andar – Sala 2
Localidade : Setor Sul – Gama – DF
Telefone : (61) 3203-9400

Site : www.otorrinodf.med.br

0

1 – O que é e o que causa a Labirintite ?

Labirintite é uma afecção (inflamação ou infecção) que atinge o órgão responsável pelo equilíbrio, o labirinto. Dentre as principais causas temos: infecção viral, bacteriana, distúrbios emocionais, traumas físicos, uso indevido de drogas e medicamentos, alimentação incorreta, baixa de imunidade ou mesmo causas secundárias a outras patologias (otites, meningites, etc).

Hoje em dia é prudente fazermos uma avaliação laboratorial destes pacientes, devido a tontura oriunda destes distúrbios se confundir com tonturas de causa labiríntica (tireoide, glicose, colesterol, tumores neurológicos).
2 – Quais são os sintomas da Labirintite ?

Principalmente vertigens e enjoos. É preciso diferenciarmos tontura de vertigem. Vertigem é a alucinação do movimento (sensação rotatória em relação a meio ambiente) e tontura está relacionada com o desequilíbrio, pisar no vazio, sensação que de cair. Vertigem é um tipo particular de tontura. Alguns pacientes apresentam sintomas auditivos associados (hipoacusia, zumbido, tinitus).

3 – Como diagnosticar a Labirintite ?

É possível um diagnóstico clínico, apenas baseado nos sintomas e no exame físico no consultório, através de manobras e testes realizados com o paciente. No casos mais complexos e recorrentes, recomenda-se exames específicos que estimulam o labirinto (como o VENG) e permite verificar a reação a estímulos de calor e frio. É importante investigar doenças que cursam com sintomas semelhantes: arritmias, distúrbios de tireoide, dislipidemias, etc.

 

4 – Como tratar a Labirintite ? Tem cura ? Deixa sequelas ?

Tratamento medicamentoso, dieta pobre em cafeína e repouso são as principais orientações para tratar a labirintite. Os medicamentos são depressores do labirinto(antivertiginosos), usados por um período prolongado, e anti-eméticos para controlar as náuseas durante as crises, sintoma este que costuma angustiar muito os pacientes. Nas crises muitos fortes são usados algumas drogas venosas mais potentes em ambiente hospitalar, supervisionadas por profissionais habilitados. Alguns paciente específicos apresentam restrições a estes medicamentos, como grávidas, lactantes e idosos com multimedicamentos. Alguns casos de difícil resolução é prudente o acompanhamento com um profissional habilitado em reabilitação vestibular. Na terapêutica é fundamental a correção de erros alimentares. Labirintite tem cura e, geralmente não deixa sequelas .

 

5 – Existe algum fator curioso a respeito dessa doença ?

Fator curioso é que nos prontos socorros tontura é igual a labirintite e isso não é verdade. Muitas vezes não se examina o paciente e é feita uma anamnese mal feita. Esses pacientes chegam nos consultórios dos médicos otorrinolaringologista para acompanhamento da labirintite usando drogas com posologias inadequadas.

Também é fato curioso e comum pacientes idosos usando medicamentos inapropriados para sua idade, por tempo prolongado e apresentando como efeito colateral do uso abusivo tremores de extremidades e encarados como mal de Parkinson. Apenas trocando ou mesmo suspendendo a medicação inadequada os tremores somem.

Outro fato não tão curioso e sim esquecidos por muitos é o fato dos profissionais não chamarem atenção para dieta pobre em cafeína, fundamental ao tratamento e controle dos sintomas. Dieta esta orientada para restrição de café, chás escuros, refrigerantes a base de coca, álcool, cigarro e chocolates.

Médico

Roncos e Apnéia

Ronco e apneia são patologias diferentes, que causam danos a saúde. O ronco é a fase inicial ,possível de remissão.
O grande vilão é a produção de radicas livres, conseqüente ao estresse oxidativo pela falta de oxigênio nas células, sendo esta falta de oxigênio por mais de 10 segundos denominado de apneia.

Dentre as inúmeras alterações que os roncos/apneias provocam no nosso organismos esta falta de oxigênio nas nossas células e tecidos geram uma sequência de fenômenos metabólicos que possivelmente levará a doenças sistêmicas (Sonolência excesiva,alterações da personalidade,fadiga crônica, depressão, ansiedade, impotência sexual,hipertensão arterial,etc).

Ronco porém é um som emitido pela garganta devido algumas alterações anatômicas de nossas vias respiratória,que com o passar dos anos podem se agravar e evoluir para apneia obstrutiva do sono.Em síntese,o ronco é gerado pelo trabalho excessivo da musculatura ,levando a uma hipertrofia da musculatura que com o decorrer dos anos leva a uma redução do espaço ,ou seja, um estreitamento das vias aéreas, agravando os roncos ou mesmo já se instalando uma apneia,conhecida com apneia obstrutiva do sono (SAHOS).

Nosso organismo emite alguns sinais de alerta quando algo não vai bem,por exemplo; Sono em resposta ao cansaço,febre em resposta algum processo inflamatório,dor em resposta a algum distúrbio a ser investigado, sendo então ronco um aviso que algo não vai bem. Ronco, no entanto, não é normal, procure seu Médico.

O tempo ideal para inciarmos o tratamento é antes da instalação da apneia, momento este que os roncos predominam e se não intervirmos irão se agravar levando muita da vezes a alterações irreversíveis.

O diagnóstico destes distúrbios dependem de uma boa história clínica,exame físico minucioso e alguns exames complementares (polissonografias,tomografias e cefalometrias),a depender da topografia da obstrução.

O excesso de peso,retrognatismo, desvio de septo nasal,hipertrofia de amigdalas ,adenoídes são fatores predisponentes que levam ao ronco roncos,tornando muitas vezes possível por meio de cirurgia a correção e resolução da roncopatia antes mesmo da instalação da apneia.

O grande número de obesos e sobrepesos teem chamado atenção dos estudiosos por sua íntima relação com ronco/apneia, muito embora as pessoas de peso normal são as que apresentam as maiores alterações anatômicas, deixando de fazer sentido orientar perda de peso para estes indivíduos.

Quantos as opções de tratamento,a depender do tipo/origem da apneia dispomos de um arsenal muito vasto como; CPAP, AIO(aparelho intra-oral ),BiPAP,Cirurgias e até mesmo apenas a redução do peso corporal.

O fator mais importante após diagnóstico e tratamento correto é a melhora da qualidade de vida com melhor desempenho no trabalho,melhor qualidade do sono,melhora da sonolência diurna,melhora da sexualidade e até mesmo,em alguns casos, melhora dos níveis pressóricos(pressão arterial) e distúrbios metabólicos.

Após uma visão geral e simplificada ,iremos discorrer em edições posteriores detalhes de interesse geral com orientações sobre quais especialistas tratam ,sempre orientado a procurar um Médico antes de consequências irreversíveis.

Leave a Comment

*Required fields Please validate the required fields

*

*

Menu